Produção industrial cai 0,8% e começa 2019 em ritmo abaixo do ano passado

Produção industrial cai 0,8% e começa 2019 em ritmo abaixo do ano passado
março 13 13:30 2019 Imprimir este artigo

A produção industrial brasileira caiu 0,8% em janeiro, com queda em 18 das 26 atividades pesquisadas, de acordo com a série com ajuste sazonal da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada hoje pelo IBGE. Já na comparação com o desempenho de janeiro de 2018, na série sem ajuste sazonal, a queda foi de 2,6%. Apesar disso, a indústria ainda acumula alta de 0,5% nos últimos 12 meses.

Segundo o gerente da pesquisa, André Macedo, o perfil do resultado negativo é bem disseminado. “É uma produção industrial em ritmo abaixo da que encerrou 2018. No acumulado dos últimos 12 meses, ainda estamos no positivo, mas ele vem reduzindo a intensidade dessa expansão. Em julho de 2018, esse crescimento era de 3,4%. Ou seja, até nesse indicador, que está no campo positivo, vemos uma redução da intensidade do crescimento”.

Entre as categorias econômicas, o destaque negativo ficou com a de Bens de Capital, que caiu 3% em relação a dezembro e 7,7% frente a janeiro de 2018. Também ficaram no negativo nas duas comparações os Bens Intermediários (-0,1% e -1,3%) e Bens de Consumo (-0,3% e -3,4%). Os Bens de Consumo Não Duráveis e Semiduráveis mantiveram a tendência (-0,4% e -2,9%), embora os Bens de Consumo Duráveis tenham tido leve alta frente a dezembro (0,5%), mesmo diante da forte queda na comparação com janeiro de 2018 (-5,5%).

“A queda nos Bens de Capital de dezembro para janeiro está relacionada à baixa na produção de caminhões, bens de produção agrícola e máquinas e equipamentos industriais. Em relação a janeiro, Bens de Capital e Bens de Consumo Duráveis são os grupos que mostram maior perda, com acréscimo dos automóveis e eletrodomésticos da linha marrom”, lembra Macedo. 

“As exportações em queda para a Argentina acabam sendo um pano de fundo importante para esse momento de queda da indústria automobilística como um todo. É um começo de 2019 mostrando perdas e uma característica de redução na produção de forma disseminada”, complementa.

De acordo com Macedo, os resultados podem ser atribuídos, em grande parte, à falta de confiança dos empresários em uma retomada mais consistente da economia nacional no futuro próximo, o que diminui o investimento em máquinas e equipamentos para produção.

“Mesmo havendo um aumento na confiança dos empresários, esse aumento é mais em relação ao futuro a longo prazo. Os investimentos têm sido adiados. Como esse grupo de Bens de Capital é diretamente associado aos investimentos no setor, ele já vem nesse movimento de queda nos últimos meses”, encerrou o gerente da pesquisa.

Fonte: Agência IBGE Notícias

EKONOMY é um canal de comunicação multiplataforma que engloba um PORTAL de NOTÍCIAS e uma WEB TV voltados exclusivamente às áreas de ECONOMIA e NEGÓCIOS da região Nordeste.

  Artigo "marcado" como:
  Categoria: