Alta no preço dos alimentos eleva a inflação brasileira em 0,32% em janeiro

Alta no preço dos alimentos eleva a inflação brasileira em 0,32% em janeiro
fevereiro 08 08:27 2019

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,32% em janeiro, acima dos 0,15% de dezembro, segundo divulgou nesta sexta-feira (8) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice acumulado em 12 meses ficou em 3,78%, levemente acima dos 3,75% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Considerando apenas os meses de Janeiro, foi a maior inflação desde 2017 (0,38%). No acumulado em 12 meses também foi o maior percentual desde 2017 (5,35%).

Em 2018, a inflação oficial fechou o ano em 3,75%, abaixo do centro da meta fixada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, o alvo central a ser perseguido é um pouco menor: 4,25%.

Alimentos puxaram alta no mês

De acordo com o analista do IBGE, Pedro Kislanov da Costa, o grupo de alimentação e bebidas foi o que mais pressionou a inflação em janeiro.

Produto básico na mesa dos brasileiros, o feijão carioca foi o que teve a maior alta no mês (19,76%), respondendo por 0,03 pontos percentuais (p.p.) sobre o índice. Todavia, o maior impacto individual neste grupo partiu das frutas, cujos preços médios tiveram alta de 5,45%, mas com impacto de 0,06 p.p.

Outros destaques de alta foram: cebola (10,21%), carnes (0,78%) e leite longa vida (2,10%). Por outro lado, o tomate teve queda de 19,46%.

A alimentação fora também acelerou e subiu 0,79% em janeiro. O destaque ficou com as altas do lanche (0,91%) e da refeição (0,90%).

Veja abaixo a inflação de janeiro por grupos pesquisados e o impacto de cada um no índice geral:

  • Alimentação e Bebidas: 0,90% (0,22 ponto percentual)
  • Habitação: 0,24% (0,04 p.p.)
  • Artigos de Residência: 0,32% (0,01 p.p.)
  • Vestuário: -1,15% (-0,07)
  • Transportes: 0,02% (0,01 p.p.)
  • Saúde e Cuidados Pessoais: 0,26% (0,03 p.p.)
  • Despesas Pessoais: 0,61% (0,07 p.p.)
  • Educação: 0,12% (0,01 p.p.)
  • Comunicação: 0,04% (0 p.p.)

Perspectivas para 2019

Para 2019, os analistas das instituições financeiras diminuíram a expectativa de inflação de 4% para 3,94%, segundo a última pesquisa “Focus” do Banco Central. Essa foi a terceira queda seguida do indicador e, também, foi a primeira vez que o mercado estimou que o IPCA ficará abaixo de 4% neste ano.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi mantida esta semana pela 7ª vez seguida em 6,5% ao ano. A meta central deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%.

Para 2020, o mercado financeiro manteve em 4% sua estimativa de inflação – em linha com a meta central, que também é de 4% para o próximo ano. No ano que vem, a meta terá sido oficialmente cumprida se a inflação oscilar entre 2,5% e 5,5%.

Fonte: G1


  Artigo "marcado" como:
  Categoria: